Dr. Thiago Monaco - (11) 5051-5572 (cons) ou 3394-5007 (Hosp. Sírio Libanês)
Principal arrow Temas em Geriatria arrow Doença de Alzheimer arrow Doença de Alzheimer - Sintomas

Doença de Alzheimer - Sintomas Imprimir E-mail
Escrito por: Dr. Thiago Monaco – dr.thiago@envelhecerbem.com   

Sintomas da Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer  (DA) éuma doença do grupo das demências (do Latim de, fora, e mens, mente e portanto ela apresenta sintomas em comum com todas as síndromes demenciais. Por definição, qualquer síndrome demencial é caracterizada por uma perda em pelo menos dois campos. Dentre estes, raciocíni, memória, aprendizado, planejamento e comportamento, reconhecimento de objetos, etc. Estas nossas capacidades são chamadas de funções cognitivas. Esta semelhança de sintomas entre todas as síndromes demenciais é o que faz o diagnóstico de qualquer uma delas tão desafiador.

Sintomas específicos da Doença de Alzheimer

 A Doença de Alzheimer tem sintomas que podem chegar a ser absolutamente caracteríscticos em muitos casos.

 No início da Doença, a DA afeta primariamente neurônios relacionados a memória e aprendizado, de uma maneira lenta e progressiva. Neste mesmo contínuo, a doença passa a afetar uma área maior do cérebro, resultando em uma atrofia cerebral grave e ampla em estágios muito avançados da doença. 

O quadro clínico resulta deste padrão de doença e é, também, lento e progressivo, sem que grandes mudanças ocorram de forma rápida. É útil dividirmos o quadro clínico da doença de acordo com a fase de progressão desta mesma, pois nos facilita entender o que está acontecendo neste momento, além de facilitar o diagnóstico e guiar-nos para o tratamento.

articles.jpg

Antes dos Sintomas começarem - o Estágio Pré-clinico

De 10 a 20 anos antes de os sintomas começarem, sabemos que a DA já está em ação silenciosa, e atualmente ainda não há formas de identificá-la. Nesta fase, ou não há nenhum sintoma ou eles são tão discretos que passam por lapsos normais ou por alterações benignas de memória, como o Déficit Cognitivo Benigno, uma síndrome que não é classificada como demência, embora seja um fator de risco para a Doença de Alzheimer.

Durante a fase pré-clínica, existe perda de neurônios em duas estruturas, chamadas de hipocampo e córtex entorrinal. Estas são duas estruturas fundamentais para o processo de memória. Isto explica por que a DA inicia os sintomas pela perda da memória.
 

O estágio leve da Doença de Alzheimer

A perda da memória é o primeiro sinal da doença. Infelizmente é muito difícil estabelecer se há uma perda importante da memória nos primeiros estágios, porque a progressão é muito lenta e discreta. A maioria dos pacientes e seus familiares não percebe a perda inicial de memória já em curso ou pode atribuí-la ao envelhecimento normal. Isto é perfeitamente compreensível, pois é muito difícil separar o normal do que não é neste ponto. 

À medida em que os sintomas progridem, a habilidade de o paciente executar suas atividades da vida diária começa a ficar afetada. O aparecimento de problemas cognitivos importantes o suficiente para dificulta ou atrapalhar o paciente nas suas atividades diárias é o que determina o início de uma Síndrome Demencial (como a Doença de Alzheimer) e definitivamente exclui outras explicações, como o envelhecimento normal  ou o Déficit Cognitivo Benigno.

 

Sintomas comuns nesta fase:

  • perda da memória: afeta inicialmente a memória para fatos recentes ou o aprendizado de novas informações
  • Agnosia: incapacidade de reconhecer coisas através dos sentidos (visão, sabor, cheiro, audição)
  • Afasia: incapacidade de compreender sua própria língua falada ou escrita, ou incapacidade de se comunicar (falando ou escrevendo) 
  • Apraxia: incapacidade para executar movimentos complexos e com significado, tão necessários no dia-a-dia ( como dirigir, pedalar bicicleta, vestir-se) 
  • Confusão de tempo, local, compromissos
  • Dificuldades de Juízo ou opinião 
  • Problemas para lidar com dinheiro
  • Mudanças de humor, como depressão ou ansiedade 

O estágio moderado da Doença de Alzheimer

À medida em que a doença progride, a perda de memória se torna mais e mais acentuada e começa a atingir também a memóriapara fatos antigos. Embora ainda nesta fase mais situações de memória recente estejam perdidos do que situações de memória antiga, o total de perda de memória nesta fase já é muito importante e profunda. É por isto que os portadores da Doença de Alzheimer tendem a lembrar-se muito mais de histórias antiga, por mais complexas que sejam, e tendem a não se lembrar de coisas recentes, por mais corriqueiras que sejam.

 A confusão de tempo e espaço (localização) é muito importante nesta fase e todos os sintomas que tenham aparecido no quadro inicial em geral se encontram piores netsa fase.

 

Sintomas comuns nesta fase:

  •  Dificuldade para recconhecer pessoas:também funciona como na perda da memória - primeiro o paciente deixa de identificar as pessoas menos importantes e presentes em sua vida e progressivamente passará a esquecer também quem são as pessoas mais importantes e os relacionamentos mais antigos.
  • Problemas de linguagem e pensamento: neste estágio o paciente passa a perder vocabulário e apresenta um discurso pobre de palavras, que lentamente piora. O pensamento e a capacidade de tomar conclusões também piora, e idéias repetidas podem começar a aparecer.
  • Comportamento repetitivo:não são somente pensamentos e idéias que passam a ser repetidos - comportamentos como ir repetidamente ao banheiro, vestir-se com diversas roupas sobre as outras ou perguntas as mesmas coisas diversas vezes são comuns; estes sintomas, muito desgastantes para os cuidadores e familiares, normalmente não representam desconforto algum para o paciente.
  • Perambulação, andar sem parar: caminhar pela casa sem propósito ou motivos, às vezes por horas, divagar ou "pensar alto" - embora também possam não ser desconfortáveis para os pacientes, estes comportamentos podem levar a um nível muito alto de atividade física e desencadear perda de peso.
  • Alucinações: ouvir ou ver coisas que não existem é perfeitamente comum; muito mais comuns, no entanto, são as ilusões, quando o paciente interpreta de forma errada objetos reais e age de acordo com a sua interpretação - como exemplo, é comum que um piso brilhante seja confundido com um piso molhado, sendo muito mais difícil o paciente ver um piso molhado em uma superfície sem brilho.
  • Vivendo no passadot:devido exatamente ao padrão de perda de memória vivenciado na Doença de Alzheimer, é comum que os pacientes passem a pensar e agir como se estivessem novamente vivendo em uma fase de seu passado.
 
No estado moderado da doença, os pacientes perdem progressivamente a capacidade para a vida diária e precisam de ajuda para executar as atividades mais simples, como ir de um lugar a outro, alimentar-se ou fazer uma ligação telefônica.
 
 

O estágio avançado da Doença de Alzheimer

 

Na última fase da doença, os sintomas existentes se tornam muito pronunciados e o paciente perde completamente a capacidade para os atos da vida diária, dependendo completamente de outras pessoas para sobreviverem.

Todas as funções cognitivas estão profundamente ou completamente danificadas. Nesta fase o paciente não conseguirá se comunicar mais.

A marca registrada desta fase da Doença de Alzheimer é a abrangência dos sintomas neurológicos. Até esta fase eles são de unicamente cognitivos, mas a partir do início da fase avançada, os sintomas incluem praticamente qualquer função neurológica, incluindo as funções necessárias para coordenação motora. à medida em que a doença progride, os pacientes se tornam acamados por incapacidade de realizar atos motores.

 

Sintomas comuns nesta fase:

 

 

 

  • Perda do controle urinário e das fezes
  • Perda de peso: nesta fase é causada por alterações neurológicas, e não é mais responsiva a alimentação ou suplementação
  • Choramingo / gemência:um grande transtorno para os cuidadores, que não conseguem descobrir por que os pacientes estão chorando, mas é automático e não indica nem dor nem sofrimento; na verdade o paciente pode ignorar completamente estar fazerndo qualquer ruído. 
  • Convulsões: quando ocorrem podem necessitar de tratamento médico.
  • Imobilidade: à medida em que áreas motoras do cérebro são afetadas, o paciente progressivamente perde habilidades motoras; progressivamente, a imobilização se torna completa.

    Nos estágios finais da doença o paciente terá perdido a maioria das funções cerebrais e se tornará muito frágil. A fragilidade e a imobilidade comumente levam à morte por infecções, notadamete por pneumonia. 



Dr. Thiago Monaco
Al. dos Jurupis, 452, sala 64 - São Paulo - SP
Fone: (11) 5051-5572


Deixe seu comentário sobre o texto!

Comentado por em 2009-12-25 06:53:32
sou acompanhante; o que mais me chamou atenção é a dificudade de atendimento médico nesta área .obs.no estado do rio de janeiro. muito bom saber que podemos contar com este material maravilhoso

Comentado por em 2010-01-03 12:26:05
Há uma lacuna de profissionais para esta area da medicina, moro no interior do Ceara e temos apena um medico geriatra que vem mensalmente de Fortaleza. Parabéns por disponibilizar no site tão preciosas informações sobre este assunto. Obrigada Lucia.

Comentado por em 2010-01-19 11:25:06
É a primeira vez que entro neste site e gostei muito do seu conteúdo. Esclarece muitas dúvidas dos familiares e/ou cuidadores de pacientes com Alzheimer. É uma pena que muitos profissionais da área da saúde, não saibam o que é esta doença. Hoje em dia, com o aumento de casos de Alzheimer, deveria ser uma matéria obrigatória na própria faculdade e também em cursos de enfermagem, já que são as enfermeiras que ficam o todo com o doente, na hora de uma internação. Passei por esta experiência com a minha mãe num hospital bem conhecido, mas as enfermeiras faziam cara de espanto quando escutavam a palavra Alzheimer. Parabéns novamente, por este site, Dr. Thiago. Abraços. Regina

Comentado por Regina Starnini-rstarnini@hotm em 2010-02-12 07:38:33
Gostei bastante desse artigo.Minha mãe ´tem 87 anos e Alzheimer há quase dez anos.]Essa divisão da doença em fase é bastante esclarecedora.Minha mãe já está entrando nas fase de perder muito peso,apatia,delírio,"pensar alto",etc. 
Isso tudo é muito triste!!!!!!!Obrigada.

Comentado por mrnrosalia em 2011-07-20 11:53:07
Minha mãe tem 88 anos e há cerca de um ano vem fazendo tratamento para Alzheimer. Busquei recentemente uma segunda opinião médica e há suspeitas de que ela tenha outro problema de saúde. No entanto, apresenta alguns sintomas como: choramingar o tempo todo, comportamento regredido, solicitar a presença de pessoas que já morreram (a mãe dela, o marido, os irmãos), pedir para ir embora para casa e dificuldade para andar. Gostei muito do site. Parabéns pelo seu trabalho. 
Rosália

Comentado por em 2010-10-14 15:20:41
Tenho pessoas na familia com esta triste realidade.Estas informações são de muita valia.Temos que nos prepararmos melhor para poder ajudar os doentes.Sempre achamos que não tem ninguem a nos ajudar e compreender.Obrigada pelas informações.elza.

Comentado por Ana Maria anamantonio@correios em 2010-12-06 07:27:13
Adorei as informações, estou procurando um médico para levar minha mãe, pois o neurologista que a levei, me falou não cuidar de lapsos de memória e ou esquecimentos. 
Se puder por favor esclareça. Qual o profissional devo procurar, pois acho que minha mãe está caminhando a passos largos para essa doença tão terrível. SOCORRO estou desesperada. 
VALEU O ARTIGO ESTÁ MARAVILHOSO. Abraços Ana Maria

Comentado por Francisca/ franbruna3@hotmail. em 2011-01-21 09:56:11
Estou comvivendo com estra realidade DA. O meu pai tem DA e para mim é tudo novo e preciso de informações para lhe dar com a situação que não é fácil. Sempre irei visitar este site para mais esclarecimentos e gostaria de receber dicas atrvés do meu e-mail. Obrigada

Comentado por em 2011-03-13 18:20:26
Para mim foi imprescindivel este artigo pois nao sabia lidar com a situaçao,no qual minha mae se encontra,embora muito triste no momento ela esta na fase de gemido e nao sei o que fazer,gostaria de saber quanto tempo esta fase demora

Comentado por em 2011-03-16 20:00:53
Excelente conteúdo....

Comentado por Eusi santos. / eusisantos@hotm em 2011-12-04 14:40:37
PAPAI TEM 84 ANOS, TEM ALZHEIMER A 6ANOS,NÃO LEMBRA DAS COISAS, MAL CONVERSA,FAZ TUDO NA FRALDA. MAMÃE NÃO ACEITA COLOCAR UM ESPECIALISTA PARA AJUDAR, ELA ACHA QUE PODE TUDO SOZINHA, OU QUE SOMOS RESPONSÁVEIS O TEMPO INTEGRAL PARA AJUDA-LA. FAÇO O QUE POSSO , POIS JA FUI OPERADA DO CORAÇÃO 3 VZ E USO MARCA-PASSO.QUANDO VI PELA TV VC FALANDO FIQUEI MARAVILHADA, ELA TAMBÉM ASSISTIU. PARABÉNS... OTIMAS INFORMÇÕES. 
 
Seu nome / seu e-mail